Aluna do 5º ano vence gincana da matemática

Texto escritor pela dupla: Maria Eduarda Aragoso e Júlia Melissa

Na escola Municipal Professora “Odete Corrêa Madureira”, em Pindamonhangaba, ocorreu uma gincana da matemática que foi feita em duas etapas. Na primeira etapa, os alunos dos 5º anos A e B e do 4º ano do período da manhã realizaram uma prova interna com contas de: adição, subtração, multiplicação e divisão. Elas foram aplicadas pelos professores das salas que participaram da gincana. Na segunda etapa, os alunos, que tiveram o maior número de acertos das contas da primeira etapa, foram classificados para a final da gincana que ocorreu na última sexta-feira (18) de agosto. Nas duas primeiras rodadas da final, os competidores tinham 3 minutos para  terminar as cinco contas e também precisavam acertar todas. Na última rodada, os primeiros a entregar com o maior número de acertos ganharia a gincana.
Os ganhadores foram duas alunas do 5º ano A e um aluno do 5º ano B, porém nenhum aluno do 4º ano A conseguiu ganhar. Em primeiro lugar ficou Ana Carolina Rodrigues de Almeida, em segundo lugar ficou Soraia Machado  e em terceiro lugar Luís Gustavo Lustosa. Eles ganharam kit escolar. Ana Carolina irá participar agora da Gincana da Matemática da Vanguarda.

 

 

O coelho Marcos

Autor: Diego Ramos dos Santos

Vou contar uma história de um coelho aventureiro chamado Marcos, que gostava de fazer piquenique no alto da montanha. Em um de seus passeios encontrou uma mina abandonada e teve uma grande vontade de entrar na mina, corajosamente estava entrando na mina quando apareceu um touro que escalava a montanha, que logo viu o coelho e lhe deu uma chifrada jogando o Marcos no carrinho da mina. Nesse momento, chegaram os ladrões que também faziam piquenique e queriam entrar na mina. Ao ver o touro, o mataram com um machado e fizeram churrasco dele.
Escondido, Marcos assistia a horrível cena, com muito medo de virar comida dos ladrões, tentou escapar, mas não conseguiu, para sua sorte apareceram quatro heróis: um tinha visão de raio x, outro tinha poder de ficar invisível, outro com poderes de vulcão e o ultimo com poder de gelo. Juntos eram conhecidos como “coelhos pensantes”, que logo perceberam que o coelho estava prestes a virar cozido.
Iniciou uma luta com os bandidos. Os bandidos fugiram prometendo vingança.
O coelho Marcos agradeceu:
-Obrigado, por me salvar daqueles bandidos maldosos!
O coelho foi convidado para fazer parte da equipe dando lhe poderes de energia.
E assim viajaram por todo mundo procurando mais coelhos heróis para formarem um exercito de heróis, mas conseguiram apenas 4 heróis formando o grupo chamado Coelhos Pensantes. Um com poder de velocidade, outro lia as mentes, outro controlava as águas e o último controlava os ventos.
Os bandidos voltaram para se vingar, então eles atacaram os coelhos. Última luta, os coelhos pensantes derrotaram os bandidos para sempre. Já que a mina era motivo de tantas violências, os coelhos pensantes a tornaram invisível.
Esses heróis viveram mais cem mil aventuras pelo mundo. Você quer saber onde e como os coelhos conseguiram os seus poderes? Eu também quero saber.

Nota: Diego é um aluno de inclusão social. Esse texto foi elaborado por ele com ajuda da professora de apoio. Todas as atividades trabalhadas com os outros alunos foram adaptadas para ele. O objetivo principal, no começo, foi trabalhar com a oralidade, que Diego pudesse fazer levantamento de hipóteses sobre o título; fizesse o reconto da história; descrevesse os personagens não apenas o físico, mas também o comportamental; que entendesse as passagens de tempo que ocorrem num enredo de uma história. 

O planejamento abaixo foi direcionado pela professora de apoio, o aluno fez as seguintes escolhas e deu as seguintes respostas:

SCAN_20170630_193410831

A professora de apoio foi a escriba nesse momento, achamos melhor que o aluno contasse tudo que gostaria de ter na sua história. As intervenções feitas foram para que ele conseguisse criar uma história que houvesse começo, meio e fim.   

 Após o planejamento, a professora pediu que o aluno narrasse o seu conto. A todo momento, o planejamento era retomado, perguntando a ele se modificaria alguma coisa e o porquê faria essa modificação. Toda vez que o aluno se perdia na narração a professora fazia a releitura da história.

 

SCAN_20170630_193410831_001

SCAN_20170630_193410831_002

Quando a professora terminou de escrever, eles fizeram uma leitura de como havia ficado e Diego conseguiu perceber algumas inadequações em sua história. O que chamou mais a sua atenção foi o nome que havia modificado no meio da narrativa, pois no planejamento ele escolheu Cristal, mas depois mudou para Coelho Marcos.                                                                                 Num outro momento, Diego releu sua história para relembrá-la e propomos que fizesse a reescrita junto com a professora de apoio, modificando o que não havia gostado nela.

Assim que terminou de passar a limpo, quis digitar no computador e pediu que sua história fosse mostrada na lousa digital a fim de que os outros colegas pudessem revisá-la  (da forma como havia sido com todos). O professor pediu que os alunos revisassem somente a pontuação.

 

Quase de verdade

Autores: Loslayne, Julia Carvalho, Marcos e Lanay

Esse conto fala sobre um galinheiro, uma figueira, duas bruxas, e um passarinho que fica interrompendo a história. O personagem principal se chama Ulisses, que é um cachorro, é ele que narra a história. O Ulisses tem pelos cor de guaraná e olhos dourados, ele é muito convencido.

Nosso grupo gostou do trecho: “o pensamento da figueira apodreceu e virou inveja. Apodreceu ainda mais e virou vingança.” Gostamos desse trecho porque é interessante e maligno.

Essa história é bem diferente por que não é a Clarice quem narra, a escritora só participa escrevendo o que o Ulisses late para ela.

quase de verdade 1

Ilustração final do livro

quase de verdade 2

Capa do livro

A mulher que matou os peixes

Autores: Júlia Melissa, João Marcelo, Soraia, Giovanna e Duda

A história fala sobre o crime que Clarice cometeu, mas não explica como isso aconteceu, só no final da história que ela da os detalhes. Ao longo da história, conta a vida dos animais que já teve, como gatos, micos, cachorros, coelhos, ratos entre outros…
Quem narra a história é a Clarice Lispector, a própria escritora do livro. O nosso grupo gostou mais da parte em que Clarice fala de sua miquinha “Lisete”.
Clarice estava andando pela rua até que viu uma loja onde vendia vários micos. Comprou uma miquinha muito engraçada, que foi batizada como “Lisete”, mas ela estava muito doente e Clarice não percebeu isso…o resto para saber o que aconteceu, você vai ter que ler!

peixe 1

Uma das mais novas edições do livro

peixe 2

Uma das mais velhas edições do livro

peixe 3

Primeira aparição de Lisete

Veja o nosso bate papo sobre os livros A vida íntima de Laura, de Clarice Lispector,  e Os bichos que tive, de Sylvia Orthof.

OBS: Toda a produção foi feita por esse grupo de alunos, desde a criação do roteiro, filmagem até a edição do vídeo.

 

A vida íntima de Laura

Autoras: Ana Carolina, Laíssa, Márcia Letícia, Maria Eduarda Aragoso

O Livro começa explicando o que é vida intima. A história fala sobre a vida intima de uma galinha que chama Laura.

Escritora Clarice descreve Laura como: burra, simples, sentimentos igual a uma caixa de sapato, vaidosa, bota muitos, muitos ovos! É uma galinha pra frente de pescoço feio.

Ela é casada com um galo chamado Luiz que é muito vaidoso, gosta de passear o dia inteiro no terreno entre as galinhas. Gosta de cantar por que acha que manda no Sol e na Lua.

A parte do livro que nós mais gostamos foi quando um alienígena apareceu no galinheiro e Laura perguntou:

–por que você me escolheu para se apresentar?

–por que você não é quadrada.

O resto vocês vão ter que ler, para saber mais sobre o livro.

1 laura

A quarta versão mais antiga do livro A vida íntima de Laura

2 laura

Nova versão do livro A vida Íntima de Laura

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja como ficou  o nosso vídeo: Falando de Laura.

O áudio não ficou muito bom, porque no dia da gravação ventava muito. Pedimos desculpas por isso!